Diocese de Novo Hamburgo

DECRETO DE INDULGÊNCIA PLENÁRIA

- Mauro. Card. Piacenza - PENITENCIARIO MAIOR

DECRETO DA PENITENCIARIA APOSTÓLICA RELATIVO À CONCESSÃO DE INDULGÊNCIAS ESPECIAIS AOS FIÉIS NA ATUAL SITUAÇÃO DE PANDEMIA

20.03.2020

 

PENITENCIARIA APOSTÓLICA

DECRETO

 

Se concede o dom de Indulgências especiais aos fiéis que sofrem a enfermidade de COVID-19, comumente conhecida como Coronavírus, assim como aos trabalhadores da saúde, aos familiares e a todos aqueles que, em qualquer qualidade, os cuidam.

“Com a alegria da esperança; constantes na tribulação; perseverantes na oração” Rom 12, 12). As palavras escritas por São Paulo à Igreja de Roma ressoam ao longo de toda a história da Igreja e orientam o juízo dos fiéis diante de cada sofrimento, enfermidade e calamidade.

O momento atual que atravessa a humanidade inteira, ameaçada por uma enfermidade invisível e insidiosa, que há tempo entrou com prepotência a fazer parte da vida de todos, está desenhado dias após dia por angustiantes temores, novas incertezas e, sobretudo, por um sofrimento físico e moral generalizado.

A Igreja, seguindo o exemplo de seu Divino Mestre, sempre se preocupou em cuidar dos enfermos. Como indicava São João Paulo II, o valor do sofrimento humano é duplo: “sobrenatural e humano. É sobrenatural, porque se enraíza no mistério divino da redenção do mundo, e é também profundamente humano, porque o homem se encontra a si mesmo, sua própria humanidade, sua própria dignidade e sua própria missão.” (Carta Apostólica Salvifici Doloris, 31).

Também o Papa Francisco, nos últimos dias, manifestou sua proximidade paternal e renovou seu convite a rezar incessantemente pelos enfermos de Coronavírus.

Para  que todos os que sofrem por causa do Covid-19, precisamente no mistério deste padecer, possam redescobrir “o mesmo sofrimento redentor de Cristo” (íbid., 30), esta Penitenciaria Apostólica, ex auctoritate Summi Pontificis, confiando na palavra de Cristo Senhor e considerando com Espírito de Fé a epidemia atualmente em curso, para vive-la de acordo com a seguinte disposição.

Concede-se indulgência plenária aos fieis enfermos de Coronavírus, sujeitos à quarentena por ordem da autoridade sanitária nos hospitais ou em suas próprias casas se, com espírito desprendido de qualquer pecado, se unem espiritualmente através dos meios de comunicação à Celebração da Santa Missa, à oração do Santo Rosário, à prática piedosa da Via Crucis ou outras formas de devoção, ou se ao menos rezam o Credo, o Pai-Nosso e uma piedosa invocação à Santíssima Virgem Maria, oferecendo esta prova com espírito de Fé em Deus e de caridade para com os irmãos, com a vontade de cumprir as condições habituais (confissão sacramental, comunhão eucarística e oração segundo às intenções do Santo Padre) assim que possível.

Os agentes sanitários, os familiares e todos aqueles que, seguindo o exemplo do Bom Samaritano, expondo-se ao risco de contágio, cuidam dos enfermos de Coronavírus segundo às palavras do Divino Redentor: “Ninguém tem maior amor que este: dar a vida por seus amigos” (Jo 15,13), obterão o mesmo dom da Indulgência Plenária nas mesmas condições.

Esta Penitenciaria Apostólica, além disso, concede de bom grado, nas mesmas condições, a Indulgência Plenária com ocasião da atual epidemia mundial, também àqueles fieis que ofereçam a visita ao Santíssimo Sacramento, ou a Adoração Eucarística, ou a leitura da Sagrada Escritura durante, ao menos, meia hora, ou a reza do Santo Rosário, ou o exercício piedoso da Via Crucis, ou a oração da Coroa da Divina Misericórdia, para implorar a Deus Todo-poderoso o fim da epidemia, o alívio dos afligidos e a Salvação eterna dos que o Senhor chamou para si.

A Igreja reza pelos que estejam impossibilitados de receber o Sacramento da Unção dos Enfermos e o Viático, encomendando a todos e cada um deles à Divina Misericórdia em virtude da comunhão dos santos e concede aos fiéis a Indulgência Plenária no ponto da morte sempre que estejam devidamente dispostos e tenham rezado durante sua vida algumas orações (neste caso a Igreja supre às três condições habituais requeridas). Para obter esta indulgência se recomenda o uso do crucifixo ou da cruz (cf. Enchiridion indulgentiarum, n.12).

Que a Santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus e da Igreja, Saúde dos enfermos e Auxílio dos Cristãos, Advogada nossa, socorra à humanidade em dor, afugentando de nós o mal desta pandemia e obtendo todo bem necessário para nossa salvação e santificação.

O presente decreto é válido independentemente de qualquer disposição em contrário.

Dado em Roma, da sede da Penitenciaria Apostólica, em 19 de março de 2020.

Mauro. Card. Piacenza

Penitenciario Maior.

 

Krzystof Nykiel

Regente