Diocese de Novo Hamburgo

Já estamos no advento, de novo | A Voz da Diocese 660

Dom Zeno Hastenteufel

Neste domingo, estamos iniciando um novo ano litúrgico. Faltam apenas quatro
semanas para o Natal. A Igreja nos orienta de forma cíclica. Cada ano é um grande ciclo, em
que nós passamos pelo advento, tempo de natal, tempo comum, quaresma, tempo de páscoa,
pentecostes e novo tempo comum e, por último, festa de Cristo Rei.
Na Carta aos Romanos, que lemos neste domingo, São Paulo nos adverte: “Vós sabeis
em que tempo estamos, pois já é hora de despertar. Com efeito, agora a salvação está mais
perto de nós do que quando abraçamos a fé” (Rom, 13,11). O advento é como o despertador
que nos chama à conversão, à mudança de vida, pois já vamos de novo celebrar o natal, a
vindo do Cristo Salvador, e para acolhê-lo nós precisamos estar em paz com Deus e com os
irmãos. Por isso, cantamos agora: Eis o tempo de conversão, eis o dia da salvação...
Enquanto isso, o Evangelho de Mateus compara este tempo com a nossa expectativa
pela segunda vinda de Cristo. Ele vem ao nosso encontro e nós caminhamos ao encontro
dele. Por isso, a cada dia que passa, estamos chegando mais perto deste encontro definitivo
com o Senhor, quando então prestaremos contas de nossa administração e receberemos o
prêmio pelas nossas conquistas ou o castigo pelos nossos fracassos.
Na verdade, nós sabemos tudo isto, mas ignoramos o momento em que tudo vai
acontecer. Por isso, muitas vezes temos receio de que isto venha a acontecer cedo demais,
quando não estamos ainda prontos e preparados. Por isso, o evangelho deste primeiro
domingo do advento nos diz: “Compreendei bem isto: se o dono da casa soubesse a que
horas viria o ladrão, certamente vigiaria e não deixaria que a sua porta fosse arrombada.
Por isso, também vós ficai preparados porque na hora em que vós menos pensais, o Filho do
Homem virá” (Mt 24,43-44).
E, para que ninguém seja surpreendido, a Igreja nos coloca agora em advento. É um
tempo de espera, de reflexão e de conversão. Preparamos o nosso Natal, participamos da
Campanha da Evangelização, e ainda por cima preparamos o nosso encontro definitivo com
o Senhor. É um tempo de graça, de esperança e de perdão. Não podemos perder mais esta
oportunidade.