Diocese de Novo Hamburgo

O mês de outubro é o mês das Missões | A Voz da Diocese 652

Dom Zeno Hastenteufel

Terra de missão está lá onde há pessoas que ainda não seguem Jesus Cristo e que ainda não foram tocados pela sua graça. A nossa região é terra de missão!

Com o Papa Francisco, que decididamente manda abrir as portas da Igreja, para ir ao encontro de todos os afastados, organizar comunidades e anunciar Jesus Cristo vivo a todos, que um dia receberam o batismo a foram unidos à Igreja.

         Na liturgia deste domingo, encontramos o texto de Habacuc, em que o profeta se queixa de não ser atendido e o próprio Deus vem ao encontro e lhe pede que apresente o seu pedido por escrito. Promete que vai ser atendido, mesmo que demore, o desfecho será positivo. E bem no final ainda a palavra confortadora: “O justo viverá por sua fé” (Hab 2,4).

         Na segunda leitura, encontramos a segunda Carta a Timóteo, em que pede que reavive sempre de novo o dom de Deus que ele recebeu pela imposição de suas mãos. É uma referência muito clara que Timóteo foi ordenado por Paulo. Era certamente um jovem bispo, certamente um pouco tímido e talvez até um pouco envergonhado nestes ambientes de grande cultura, na Grécia e na Roma antiga. Por isso mesmo, Paulo insiste: “Não te envergonhes do testemunho de Nosso Senhor Jesus Cristo, nem de mim seu prisioneiro, mas sofre comigo pelo Evangelho, fortificado pelo poder de Deus... Guarda o precioso depósito, com a ajuda do Espírito Santo, que habita em nós” (2Tim 1,8.14). Certamente este Timóteo era uma das esperanças de Paulo, um de seus continuadores na obra da pregação, que Paulo conforta e anima a prosseguir na obra da evangelização. Nós precisamos constantemente nos encorajar mutuamente.

         Os próprios apóstolos, que viviam lado a lado com o Senhor, formavam uma comunidade com Ele, chegam ao ponto de pedir: “Senhor, aumenta a nossa fé!” (Lc 17,5). Com uma fé grande, decidida e bem centrada no Senhor, eles poderiam fazer tantas coisas. Mas, deixavam-se abater, especialmente porque viviam se comparando um com o outro e eles estavam sempre preocupados por saber qual deles era o maior. Então Jesus ensinou: “Quando vós tiverdes feito tudo o que vos mandaram, dizei: somos servos inúteis e fizemos o que deveríamos fazer” (Lc 17,10).