Diocese de Novo Hamburgo

O dia dos pais e a vocação da família | A Voz da Diocese 644

Dom Zeno Hastenteufel

No segundo domingo de agosto, celebramos o Dia dos Pais. É uma oportunidade excelente para se refletir sobre a vocação do pai e da mãe. Esta vocação é para todos aqueles que, desde criança, apresentam sinais de um afeto especial para com as crianças. 

Todos aqueles que sentem a vocação para a paternidade ou maternidade precisam então se preparar para a vida matrimonial. A vocação para a família exige uma complementaridade com uma pessoa do sexo oposto. É preciso deixar bem claro que para se ter uma família, com possibilidade real de gerar filhos, nós precisamos de um homem e de uma mulher.

A Igreja reza para que não faltem autênticas vocações para a constituição de famílias sadias e cristãs. Só com pessoas vocacionadas, para assumir a paternidade e a maternidade, nós poderemos ter a geração de filhos, que venham verdadeiramente contribuir para um mundo mais humano e mais cristão.

Um bom pai de família e uma boa mãe não caem do céu. Precisam ser preparados. Precisam ter princípios de vida, orientações éticas e sentir que estão respondendo a um plano de Deus. É claro que o instinto ajuda e é indispensável, mas não é o suficiente para se ter e se criar uma família, segundo o pensamento de Deus e da Igreja.

No evangelho deste domingo, parece que Jesus fala diretamente ao seu pequeno rebanho, dos procuram atender ao chamado de Deus. Diz o Senhor: “Não tenhais medo, pequenino rebanho, pois foi do agrado do Pai dar a vós o Reino. Fazei bolsas para um tesouro no céu que não se acabe; ali o ladrão não chega nem a traça corrói. Porque onde está o vosso tesouro ali está também o vosso coração” (Lc 12,32-34). A maioria do povo não compreende esta linguagem, mas os pequenos grupos, o pequeno rebanho sabe que a nossa fé nos leva à plena realização em Jesus Cristo.

O verdadeiro pai e a verdadeira mãe são como aquelas pessoas que o Senhor coloca na administração de seus bens. Ele os quer apenas vigilantes. Que cuidem do grande patrimônio que Deus lhes deu, os filhos, que eles precisam educar para Deus. Eles um dia prestarão contas da administração de suas casas e de seus filhos.