Há poucas semanas, o Papa Francisco presidiu à canonização de Dom Romero, o bispo de El Salvador, assassinado enquanto celebrava a Eucaristia  e o Papa Paulo VI, protagonista do Concílio. Este mesmo Papa já havia canonizado João XXIII e João Paulo II.  
São todos Papas de incontestável santidade, refletida em sinais que aparecem em forma de milagres, de fatos extraordinários que não encontram outra explicação. 
É bem complicado o caminho para a canonização. A Igreja exige um autêntico milagre para a beatificação e um para a canonização. E só serve milagre comprovado pela medicina, diante de equipes médicas internacionais. 
Olhando para todas estas exigências, talvez tenhamos a impressão de que são poucos os que se salvam. Mas, quando se lê o texto do Apocalipse, nós ficamos confortados: “Depois eu vi uma multidão imensa de gente de todas as nações, tribos, povos e línguas, e que ninguém podia contar. Estavam de pé, diante do trono e do Cordeiro; trajavam vestes brancas e traziam palmas na mão... Esses são os que vieram da grande tribulação. Lavaram e alvejaram suas roupas no sangue do Cordeiro” (Apoc. 7, 9.14). 
É claro que se trata de um povo que foi salvo e redimido por Jesus Cristo. A Igreja ensina que todos nós fomos redimidos e aqueles que conseguiram perseverar na graça de Deus e cultivar a vida cristã durante a sua trajetória pelo mundo estão junto de Deus, na glória eterna do Pai, não por méritos próprios, mas por obra da graça de Deus. 
O evangelho das bem-aventuranças, que nós lemos neste domingo, nos mostra que os critérios de Deus são muito diferentes dos nossos, mas este caminho não é impossível. Temos a convicção de que, de nossas boas famílias cristãs, muita gente viveu de acordo com este tema. Não temos dúvida: estão junto de Deus. 
E mais, tenhamos também nós a certeza: ainda há vagas. Nós que cremos e fomos batizados, estamos no bom caminho. Se soubermos colaborar com a graça de Deus, encarar as bem-aventuranças e se fizermos um esforço sincero, nós poderemos chegar lá e ainda engrossar mais esta imensa multidão. No cemitério, nesta sexta-feira, ainda tivemos a oportunidade de nos encontrar com muitos nomes de pessoas que certamente já estão lá junto de Deus.