Agora, neste décimo domingo do tempo comum, nós aterrissamos no mundo pecador em que nós vivemos. O pecado que nos vem descrito em Gênesis, numa linguagem muito própria daquele tempo em que foi redigido, nos revela precisamente aquela tendência pecadora que nós ainda experimentamos nos dias atuais: a mulher e o homem querem ser mais do que são; na verdade querem ser igual a Deus, querem ter tudo e ser como Deus. 
Depois, quando Deus os encontra, eles se apresentam envergonhados e um empurra a culpa para outro. Finalmente a serpente é a culpada. Hoje também é assim. Nós vamos culpando os outros e sempre encontramos alguém que é culpado de tudo isto. Certamente seria melhor, olhar para dentro de nós mesmos e constatar a nossa natural tendência ao pecado, ao querer ser mais, ao querer ter mais e ao desejar poder mais. É verdade que nós fomos criados à imagem e semelhança de Deus, mas não há dúvida de que somos também muito parecidos com Adão e Eva. 
No evangelho nós nos encontramos com Jesus na sua terra. Eram tantos os curiosos que a casa ficou repleta. Mas, ao mesmo tempo, lá estavam também “os mestres da lei que tinham vindo de Jerusalém e eles diziam que ele estava possuído por Belzebú e que pelo príncipe dos demônios ele expulsava os demônios”(Mc 3,22). É claro que Jesus logo responde, com uma lição importante para nós: “Como é que satanás pode expulsar satanás? Se um reino se divide contra si mesmo, ele não poderá manter-se. Se uma família se divide contra si mesma, ela não poderá manter-se” (Mc 3, 24-25).  
É mais uma vez a presença do pecado do mundo. Quando percebem que alguém faz algo de positivo e começa a produzir frutos, logo aparecem os que são contra ele, procuram destruí-lo e expulsá-lo. Parece que estamos no mundo atual. Nós homens pecadores estamos sempre prontos para apontar os erros dos outros. 
Mas, a grande lição deste domingo, nós encontramos no texto da segunda carta de São Paulo aos Coríntios: “Sustentados pelo mesmo espírito de fé, certos de que aquele que ressuscitou o Senhor Jesus também nos ressuscitará com ele e nos colocará ao seu lado, juntamente convosco”(2Cor 4,13-14) .