Diocese de Novo Hamburgo

A caminho da transfiguração | A Voz da Diocese 623

Dom Zeno

A nossa Campanha da Fraternidade avança e nós já estamos diante do segundo domingo da quaresma, ocasião em que nós cristãos somos levados a refletir sobre aquela cena em que Jesus levou consigo Pedro, Tiago e João, foi para o alto de uma montanha e ali se transfigurou diante de deles.

         O Evangelista Lucas descreve assim: “Enquanto orava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou branca e brilhante. Dois homens conversavam com ele: eram Moisés e Elias. Apareceram revestidos de glória e conversavam com Ele sobre a saída deste mundo que Jesus iria se consumar em Jerusalém” (Lc 9,29-31).

         Era realmente uma cena pedagógica. Jesus se utiliza dos melhores recursos áudio-visuais para mostrar aos seus apóstolos o que em breve iria acontecer. Ele passaria pela experiência da morte, seu corpo físico seria transformado, assumiria um corpo glorioso, tal como já o tinham os antepassados, conhecidos do Antigo Testamento, Moisés e Elias.

         De um momento para o outro os apóstolos estavam vendo uma cena celestial. Era realmente um diálogo entre pessoas que já assumiram o seu corpo glorioso. Estavam adiantados no tempo e já estavam encenando uma realidade sobrenatural.

         Não é por nada que o sonolento Pedro se acordava com desejos de eternizar aquela vivência: “Mestre, como é bom ficarmos aqui. Vamos fazer três tendas, uma para ti, outra para Elias e outra para Moisés” (Lc 9,33). O próprio Lucas observa que o pobre Pedro não sabia o que estava dizendo. Era inimaginável eternizar uma cena preparada para revelar o que iria acontecer com o Filho de Deus, que precisava morrer para poder salvar toda a humanidade. O corpo físico seria dispensável. Para entrar na glória do Pai não precisaria deste corpo, que passaria pela morte e ressurreição.

         No mundo de Deus é assim. Tudo é dádiva. A vida é um dom de Deus. Nunca seremos donos da vida porque ela nos foi dada. Por ela só podemos agradecer. A dádiva nos introduz num círculo onde tudo é graça e solidariedade.

         Nós podemos rezar assim: Bendito seja Deus pela vida, pela fraternidade, pela solidariedade, por este planeta Terra onde a vida brota em abundância!