Diocese de Novo Hamburgo

E Jesus vai formando o seu grupo - A Voz da Diocese 618

Dom Zeno

A liturgia deste quinto domingo do tempo comum começa apresentando a vocação de Isaías. Ele ainda tentou resistir, argumentando que ele era um homem de lábios impuros, talvez fosse um tipo destes que só sabe contar piadas sujas, mas assim mesmo, Deus não desistiu de contar com ele. Conta-nos que um anjo trouxe uma brasa com uma tenaz e a encostou nos lábios. Ele foi purificado à força. Depois pediu então para ser enviado.

         Muitas vezes ele se dá ao trabalho de preparar os que ele quer enviar.  E, “um homem de lábios impuros” se transforma num grande profeta, como foi o Isaías.

         Na Carta de Paulo, encontramos a mensagem central de todo o Novo Testamento: Jesus Cristo ressuscitou, Ele está vivo e Ele é a certeza que nós vamos ressuscitar. Nós temos a convicção de que, assim como Jesus morreu e ressuscitou, também nós vamos ressuscitar.

         O evangelho nos apresenta aquela cena, em que Jesus foi pescar com os seus primeiros apóstolos. Todos eles eram antigos pescadores. Conheciam aquele Mar da Galileia como ninguém, eles sabiam todos os truques de bons pescadores e não precisavam conselho de ninguém. Assim mesmo, Jesus disse: “Avança mais para o fundo, e ali lançai vossas redes para a pesca”. Simão Pedro respondeu: “Mestre, trabalhamos a noite inteira e não pegamos nada. Mas, pela tua palavra, lançarei as redes” (Lc 5,4-5). 

         O resultado foi uma pesca extraordinária. As redes quase se rompiam. Tiveram que chamar os companheiros da outra barca e as duas barcas quase afundaram. Então Pedro não se conteve mais, caiu de joelhos diante de Jesus, dizendo: “Afasta-te de mim, Senhor, porque sou um homem pecador!” – Estava claro que Pedro viu nesta pesca milagrosa mais um sinal da divindade deste mestre que ele ainda não conhecia bem.

         Por isso, Jesus disse a Pedro: “Não tenhas medo! De agora em diante, serás pescador de homens” (Lc 5,10). Eis a grande tarefa dos apóstolos: tornarem-se pescadores de homens. E assim Jesus foi formando o seu grupo.

Esta é a missão da Igreja ainda nos dias de hoje. Cabe-nos pescar homens, levá-los a Cristo, torná-los seguidores de Cristo, envolvidos com o Evangelho. Como o pescador atrai os peixes, o evangelizador precisa atrair para o Senhor.