Diocese de Novo Hamburgo

E nós, o que devemos fazer? - A Voz da Diocese 610

Dom Zeno

Já estamos agora diante do terceiro do domingo do advento, a terceira vela se acende na coroa e o envelope, que recebemos em nossa paróquia ou comunidade, deverá ser devolvido nas celebrações deste final de semana, com a oferta de nossa família, para o gesto concreto da Campanha da Evangelização.

         O Profeta Sofonias vem com uma mensagem de muita alegria, gritando a todos que a Salvação agora está próxima, com as palavras: “Canta de alegria... alegra-te e exulta de todo o coração... o Senhor revogou a sentença contra ti, afastou teus inimigos; o rei de Israel é o Senhor, ele está no meio de ti, nunca mais temerás o mal... O Senhor teu Deus está no meio de ti, o valente guerreiro que te salva” (Sf 3, 14-17).

         Dois séculos antes de Cristo, falar do Salvador que viria depois era mais ou menos assim, como um valente guerreiro.

         Já São Paulo, que conheceu o Cristo vivo e ressuscitado, fala outra linguagem: “Alegrai-vos sempre no Senhor, eu repito, alegrai-vos. O Senhor está próximo!” (Fl 4,4). Transmite uma mensagem de alegria e nos dá as razões para termos confiança no Senhor.

         O evangelho deste 3º domingo nos apresenta o povo que se aproxima de João Batista com a pergunta: “O que devemos fazer?”.

         Para cada grupo, ele tem outra resposta, de acordo com a profissão e a situação em que cada um se encontrava: - “Quem tem duas túnicas, dê uma a quem não tem; e quem tiver comida faça o mesmo”. - Aos cobradores de impostos ele disse: “Não cobreis mais do que foi estabelecido”; - Aos soldados ele dizia: “Não tomeis à força o dinheiro de ninguém, nem façais falsas acusações; ficai satisfeitos com o vosso salário” (Lc 3,13-14).

         Diante de respostas tão sábias, o povo pensava que João já fosse o Messias, mas o Batista deu a grande resposta: “Eu não sou o Messias, eu vos batizo com água, mas virá aquele que é mais forte do que eu. Eu não sou digno de desatar as suas sandálias. Ele voz batizará no Espírito Santo e no fogo. Ele virá com a pá na mão: vai limpar a sua eira e recolher o trigo no celeiro” (Lc 3,16-17). Nós todos queremos estar neste caminho.