Diocese de Novo Hamburgo

Dia mundial das vocações - A Voz da Diocese 261

O quarto domingo de páscoa é sempre o dia mundial de orações pelas vocações. O Papa enviou mensagem especialpara este domingo. Para este ano, Bento XVI escolheu o tema: “As vocações, dom do amor de Deus”.

E o Papa argumenta: A fonte de todo o dom perfeito é Deus, e Deus é Amor – Deus caritas est; “quem permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele” (1 Jo 4, 16). A Sagrada Escritura narra a história deste vínculo primordial de Deus com a humanidade, que antecede a própria criação. Ao escrever para os cristãos da cidade de Éfeso, São Paulo eleva um hino de gratidão e louvor ao Pai pela infinita benevolência com que predispõe, ao longo dos séculos, o cumprimento do seu desígnio universal de salvação, que é um desígnio de amor. No Filho Jesus, Ele “escolheu-nos – afirma o Apóstolo – antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis em caridade na sua presença” (Ef 1, 4). Fomos amados por Deus, ainda antes de começarmos a existir! Movido exclusivamente pelo seu amor incondicional, “criou-nos do nada” (cf.2 Mac 7,28) para nos conduzir à plena comunhão com Ele. Nós só seremos inteiramente felizes, em comunhão plena com Deus. Esta é a nossa fundamental vocação.

A liturgia deste quarto domingo nos apresenta o discurso de Pedro, diante da cura do paralítico, em que assim se expressa: “Ficai sabendo todos vós e todo o povo de Israel. É pelo nome de Jesus Cristo que este homem está curado diante de vós. Jesus é a pedra que vós, os construtores, desprezastes e que se tornou pedra angular” (At 4,10-11).

Esta pedra angular da Igreja e de toda a vida cristã é Jesus Cristo vivo e ressuscitado. Ele que foi rejeitado na cruz, desprezado na sua paixão e preterido pelo povo que gritava o nome de Barrabás e não o de Jesus. Para poder ressuscitar foi essencial sua condenação à morte e morte de cruz. Assim a pedra rejeitada tornou-se a padre angular.

Na segunda leitura, São João volta a insistir no grande presente que nós todos recebemos, em sermos chamados filhos de Deus e nós o somos de fato! E como filhos de Deus, não há nada de estranho de sermos chamados: - Ovelhas do único e grande pastor, que é Jesus Cristo. “Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas. O mercenário, que não é pastor e não é dono das ovelhas, vê o lobo chegar, abandona as ovelhas e foge, e o lobo as ataca e dispersa. É apenas um mercenário e se importa com as ovelhas. Eu sou o bom pastor” (Jo 10,11-14).